quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Cupttone - o panettone que cabe na palma da sua mão













Antes que o Natal passe, e com ele a oportunidade de compartilhar com vocês esta receita excelente de panettone (macia, fofinha e perfumada) que aprendi no meu curso de confeitaria, vamos ao que interessa!

Devido à minha total falta de talento para fazer pão (sim eu finalmente admito, mas desistir? Nunca!) achei que não conseguiria reproduzir a receita com êxito em casa. Mas não é que deu certo?! Já fiz três receitas e todas funcionaram!

Então este é o seu maior estímulo: se eu consegui, você também consegue! 

E teve uma vez que foi muito especial: cozinhei com as minhas cozinheirinhas preferidas, estas bonecas lindas que aparecem aí em baixo na foto.




Fizemos tudo juntas, desde o preparo da esponja até a decoração. E os Panettones pequeninos viraram "Cuptonnes" : gosto de panetonne e cara de cupcake ;-)

E achei uma ótima opção para cozinhar e envolver as crianças nos preparativos do Natal: elas decoram cada cuptonne com os confeitos e adereços que escolherem.. deixando sua personalidade registrada nos quitutes. Afinal, para mim, mais legal do que uma mesa decorada perfeitamente com tons natalinos e vários arranjos e adereços temáticos que andam expostos em pencas por aí... é uma decoração mais caseirinha que estabeleça uma conexão com aqueles que participam da ceia.

E como não sei se consigo voltar aqui até lá... desejo um Natal cheio de alegria e boa comida, sem stress e sem exageros [de preferência], assim como desejo que seja o meu!! 2014 já está acabando e foi bom compartilhar receitas, histórias e momentos ao longo do ano por aqui com vocês! 


Panetonne

rendimento: 7-8 cuptonnes ou 1 panettone tamanho padrão


Ingredientes:

Para a esponja:

  • 25g de fermento biológico fresco;
  • 20 g de açúcar;
  • 90g de farinha de trigo;
  • agua em temperatura ambiente o quanto baste;

Para a massa:
  • 250g de farinha de trigo;
  • 5g de sal;
  • 100g de manteiga amolecida (pastosa);
  • 70g de açúcar;
  • 3 gemas de ovo;
  • 125ml de leite ou o quanto baste para dar textura adequada à massa(aproximadamente);
  • 1 c. chá de extrato de malte em pó (opcional);
  • 2 c. chá de aromas (utilize os de sua preferencia, desde sumo de limão, laranja, cognac, rum, até as tradicionais essências artificiais de amêndoa ou panettone);
  • 90g de frutas cristalizadas;
  • 50g de uva passa;
  • raspas de limão;
  • raspas de laranja;
  • formas de papel de panettone, vendidas em lojas especializadas;
Para decorar: chocolate, fondant, frutas, confeitos, etc. 


Preparo:

  1. Comece pela esponja: junte todos os ingredientes da esponja numa tigela média misture bem e acrescente a água até formar uma consistência cremosa. Cubra com filme plástico e deixe descansar até que espume e cresça (uns 20 min num dia quente);
  2. Colocar as frutas cristalizadas e as uvas passa numa tigela e cobrir com uma mistura de suco de laranja, limão rum ou cognac (ou outra bebida de sua preferência). Deixar macerando até o momento de juntá-las na massa;
  3. Após este tempo, numa tigela bem grande misture a farinha e o sal e faça uma coroa, deixando o fundo da tigela aparecendo no centro;
  4. Em outra tigela grande bater a manteiga (já amolecida) e o açúcar até virar um creme homogêneo;
  5. Acrescente as raspas e limão e laranja e misture novamente;
  6. Adicione as gemas, uma a uma, misturando em cada adição para evitar que talhe;
  7. Incorpore os aromas que você escolheu e se estiver usando o extrato de malte (eu retirei duas colheres do líquido em que embebi as frutas cristalizadas e juntei a este creme, ao invés de utilizar essências);
  8. Verta esta preparação juntamente com a esponja já crescida no centro da tigela grande com a coroa de farinha;
  9.  Comece a formar a massa agregando os secos ao centro;
  10. Vá adicionando o leite devagar, até obter uma massa macia mas não pegajosa;
  11. Despeje a massa numa bancada (não é necessário enfarinhá-la) e sove até formar uma massa macia e elástica;
  12. Forme uma bola, coloque numa tigela, cubra com papel filme e deixe descansar por 1h ou até que duplique seu volume;
  13. Abra a massa numa superfície e retire todo o ar com a ponta dos dedos;
  14. Se estiver fazendo  "cuptonnes" divida a massa em porções iguais e faça o passo 13; 
  15. Escorra bem as frutas e incorpore à massa, sovando com delicadeza enquanto vai formando uma bola;
  16. Despeje a massa nas formas de panettone e deixe descansar até que duplique novamente o volume (de 1h a2h);
  17. Aqueça o forno na temperatura de 160ºC;
  18.  Uma vez duplicado o volume, com uma tesoura de cozinha faça dois "piques" cortando em forma de cruz bem no "cucuruto" no panettone;
  19. Coloque uma bolinha de manteiga no centro desta cruz e leve para assar;
  20. Retire quando estiver bem dourado;
  21. Decore de acordo com sua preferencia ;-) 






segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Meatzza: a pizza sem massa da Nigella











Uma pizza de carne (MEATzza) ou um hambúrguer gigante e coletivo? TANTO FAZ. É uma ideia genial, prática, lowcarb e deliciosa, daquelas que você morre por não ter sido a primeira a pensá-la. 

A inspiração veio da musa foodporn Nigella Watson mas eu simplifiquei o que já era bem simples, aplicando a técnica do hambúrguer perfeito. A cobertura fiz bem leve pois compartilhei com minhas amigas do trabalho que estão numa fase low-carb-low-fat de suas vidas ;-) para acompanhar deixo a sugestão de uma salada bem nutritiva, com grãos e castanhas, por exemplo. E quem pode ser dar ao luxo...  fatias de pão sempre combinam não é mesmo? 


MEATZZA Nigelíssima para 4 meninas elegantes

Para a base (de uma forma redonda com fundo removível de 23cm)
  • 600g de fraldinha (ou patinho para uma versão light) moída;
  • sal, pimenta do reino e cheiro verde a gosto;
Para a cobertura:
  • 1/2 xícara de molho de tomate (tomate pelado, alho espremido, sal e pimenta processados rapidamente é o melhor molho para mim)
  • 8 fatias de mozzarella de bufala;
  • 1-2 tomates maduros fatiados;
  • folhas de manjericão a gosto;

Preparo:
  1. Unte a forma (preferencialmente com fundo removível) com azeite;
  2. Numa tigela grande misture a carne moída com os temperos até misturá-los uniformemente. Assim como no hamburguer, quanto menos mexer e apertara carne mais suculenta e macia ela fica;
  3. Cubra o fundo da forma com a carne temperada, numa espessura de aproximadamente 1cm;
  4. Espalhe o molho de tomate;
  5. Rasgue as fatias de mozzarella por cima, cobrindo por igual;
  6. Distribua os tomates em rodelas e as folhas de manjericão;
  7. Cubra com papel alumínio até a hora de assar. Você pode fazer com até 1 dia de antecedência;
  8. Pré aqueça o forno em  220ºC por 10 minutos ou menos se utilizar um forno pequeno;
  9. Regue um fio de azeite sobre a meatzza e leve ao forno por 20-25 minutos. Na metade do tempo retire a forma do forno e escorra o liquido que vai sair da carne. Devolva ao forno e termine o cozimento. 
  10. Sirva ainda quente com uma bela salada. 









quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Bolo de banana com aveia, passas e tâmaras [sem açúcar, sem farinha, sem lactose] e acreditem... com muito sabor!







Enfim dei o braço a torcer e experimentei uma receita sem açúcar, sem farinha e sem leite. Ainda que tenha sido um atrativo a ausência do açúcar, não fiz este bolo para me encaixar em alguma dieta maluca ou em decorrência de uma alergia a qualquer um destes produtos. 

Na verdade, substituir farinha branca por flocos de aveia e o açúcar refinado pelo açúcar da uva passa é uma escolha que, além de mais nutritiva, acrescenta outros sabores ao bolo, que neste caso, deram para lá de certo. No mais, do leite não senti falta e a pouca estrutura -que só se expandiria com a presença do glúten- foi compensada pela maciez e leveza da massa. Isto sim me surpreendeu: apesar de crescer e inflar bem pouco o bolo é incrivelmente fofo. 

Melhor parte: bolo de liquidificador: é feito em 10 minutos e assado em outros 30. Pouca sujeira, pouca bagunça e muita alegria na hora do lanche. Para uma próxima vez adicionarei alguma castanha picada à massa para uma texturinha extra que acho sempre bem vinda. 

A receita veio do site Panelaterapia e, para não dizer que não adaptei nada, acrescentei umas tâmaras e substitui os flocos de aveia por farinha de aveia, pois era o que tinha na despensa ;-)

O link do site está aí embaixo... só transcrevo aqui porque vai que um dia a moça resolve deletar tudo e eu perco a receita?O Café também é meu caderninho virtual  ;-)



BOLO DE BANANA [sem açúcar, sem leite, sem farinha]
receita do  site Panelaterapia 
rendimento: 1 forma de bolo inglês

Ingredientes:

  • 2 bananas nanicas bem maduras;
  • 1/2 xícara de uvas passas pretas (juntei umas cinco tâmaras secas também);
  • 2 ovos;
  • 1/4 xícara de óleo;
  • 1 xícara de aveia (em flocos finos, grossos ou farinha de aveia);
  • 1 c. sopa de fermento em pó 

Preparo:
  1. Pré aqueça o forno a 180°C e unte uma forma de bolo inglês e enfarinhe com cacau em pó ou farinha branca normal;
  2. Bata todos os ingredientes no liquidificador, deixando os secos por último;
  3. Despeje a massa na forma preparada e asse por 30 minutos, ou até que o palito saia limpo quando espetado bem no meio da massa.



terça-feira, 4 de novembro de 2014

Jalapeños recheados com queijo, coentro e bacon






Arriba Mexico otra vez! 

Quanto mais quente é melhor para suar pelas orelhas com o ardido da pimenta jalapeño. E em homenagem a estes dias de calor infernal assei lindas jalapenõs para o jantar. O ardido da pimenta é amenizado quando vai ao forno, mas é fundamental retirar as sementes e as fibras brancas. Para balancear sirvo de acompanhamento um creme batido de pepinos com iogurte, pimenta e sal super refrescante, pico de gallo e pãezinhos fatiados.

Este jantar finger food além de delicioso é pratico de preparar e de servir, pois não suja pratos nem talheres. Uma ótima pedida para aquela noite apressada de meio de semana, não?


Jalapeños recheadas ao forno

Ingredientes:
  • 8-10 unidades de pimenta jalapeño fresca, partidas ao meio no sentido longitudinal, sementes e fibras removidas;
  • 200g de queijo "bom para derreter" ralado (desta vez usei minas padrão);
  • 3 fatias de bacon fritas e picadinhas;
  • coentro fresco a gosto;
  • azeite, pimenta do reino moída na hora e sal a gosto;

Preparo:

  1. pré aqueça o forno em 190°C e forre uma assadeira com papel manteiga ou tapete de silicone;
  2. Numa tigela misture o queijo o bacon e o coentro picadinho;
  3. Disponha as metades de jalapeños na assadeira preparada e acrescente cuidadosamente (ou não, rs) o recheio;
  4. Regue tudo com um fio de azeite e salpique a pimenta do reino moída na hora. Leva para assar por 20 minutos ou até o queijo derreter bem;
  5. Sirva com os acompanhamentos de sua preferencia.  


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Farfalle para três [com tomatinho cereja, pimenta dedo de moça, alho, linguiça curada picante e queijo feta]





Mais um daqueles dias corridos em que a fome não podia esperar além de meia hora. Para esta situação não consigo pensar em algo mais prático, versátil e gostoso do que uma bela massa com molho simples. 
E esta versão de tomatinhos, pimenta e bacon/pancetta/linguiça curada é sucesso absoluto aqui em casa. E pode ser na sua também!

É uma refeição quebra galho e a intuição é a "alma do negócio", portanto, as quantidades e ingredientes usados são apenas referenciais, para se adaptar com o que se tem na despensa...ainda que a combinação de tomatinho cereja com queijo feta seja genial e fortemente recomendada ;-0

Para três pessoas cozinhei al dente 1/3 de um pacote de farfalle. Enquanto esperava a água ferver já fiz o mis en place, deixando todos os ingredientes cortados, picados, lavados, etc, prontinhos esperando por seu destino glorioso.

Quando coloquei a massa para cozinhar esquentei um fio generoso de azeite numa frigideira grandona, tipo wok -porque ali mesmo misturaria a massa ao molho e levaria à mesa (praticidade, era o seu momento) - juntei uma pimenta dedo de moça bem picadinha, e um bom naco de linguiça apimentada curada cortada em cubos pequeninos. Deixei refogar um tanto, sobretudo para a pimenta "pegar para capar" (porque é assim que o povo de casa gosta) e adicionei uns três dentes de alho bem picadinhos, refogando até dourar. 

Experimentei a massa que cozinhava e achei que os minutinhos que faltavam para ficar 'al dente' eram o necessário para finalizar o molho (caso estivesse muito dura ainda desligaria o fogo e aguardaria mais um pouco para finalizá-lo). Acrescentei então os tomatinhos cereja cortados pela metade, ajustei o fogo para médio baixo, moí um bom tanto de pimenta do reino, acrescentei um tantinho de sal e refoguei até os tomatinhos murcharem e soltarem um pouco de líquido. 

Foi o tempo de escorrer a massa, aumentar o fogo dafrigideira/wok e misturá-la ao molho. Para finalizar adicionei queijo feta esmigalhado, misturei tudo delicadamente, levei à mesa e então devoramos tudinho, inclusive com direito à disputa pela "tchutchada real" que é aquela última passada de pão no molho que sobra na panela ;-)

terça-feira, 14 de outubro de 2014

jantar fit com tomates, aspargos grelhados, queijo feta e rabanetes





Fiz este jantar para matar a fome de leão que tenho depois da natação e, por isto, precisava ser algo rápido, nutritivo e obviamente bem gostoso.

E ele não me decepcionou. Não tem segredo quando se cozinha com ingredientes frescos, bonitos e de boa qualidade ;-)

Comprei estes tomates cor de laranja porque me sinto irresistivelmente atraída por vegetais atipicamente coloridos como cenouras roxas, berinjelas brancas e rajadas e tomates amarelos. Então assei os aspargos como usualmente faço: com azeite e pimenta do reino moída na hora, fatiei os tomates e os rabanetes o mais fino possível, juntei os aspargos e esmigalhei um pouco de queijo feta por cima. Para temperar um tiquinho de sal, mais pimenta do reino e um fio de aceto balsâmico.

Ficou divino, leve, saboroso e o queijo feta fez tanto sentido que agora não consigo me desapegar: coloco um legume ou salada na mesa e já pego o bendito para acompanhar ;-0


segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Moqueca rápida de camarão







 


Ando numa onda de desejar comer e aprender a cozinhar tudo o que é do mar. Já foram mariscos, mexilhões, vongole, atum, pescada, linguado e então camarão. 

Uns amigos me trouxeram um azeite de dendê lá da Bahia e esta foi a deixa para preparar a moqueca.  Como não havia muito tempo até a hora do almoço optei por uma versão rápida que encontrei na internet. Não sou especialista em moqueca mas ficou tão boa que eu e Cheri comemos tudo o que havia na panelinha de barro capixaba de uma vez. Fiz um arroz basmati suave e imaculado, o que combinou bem com os sabores arretados do caldo. Coentro fresco salpicado no prato e leite de coco feito em casa agregaram muito mais sabor ao prato e esta cor laranja linda se deve aos pistilos de açafrão que inventei de acrescentar. 

A receita é fácil, rápida como prometida e o resultado delicioso, sem cerimônia. Vale a pena experimentar - dica de quem jamais havia feito moqueca e agradou o paladar do marido purista ;-)


Moqueca rápida de camarão

rendimento: 2-4 porções
preparo: 40 minutos


Ingredientes:
  • 2 c. sopa de azeite;
  • 1 cebola média picada em cubinhos;
  • 4 dentes de alho bem picadinhos;
  • 2 tomates italianos sem sementes e picado em cubinhos;
  • 1 pimentão amarelo, em tiras finas;
  • 1 pimentão vermelho, em tiras finas;
  • 1 pimenta dedo de moça cortada em fatias fitinhas (sem sementes se quiser algo menos apimentado);
  • 2 xícaras de leite de coco;
  • 500g de camarão limpo;
  • meia c. café de açafrão (diluído em um pouquinho de água fervente);
  • sal e pimenta do reino a gosto;
  • coentro fresco a gosto;
  • azeite de dendê em quantidade moderada (1 c. sopa, aproximadamente);

Preparo: 
  1. Em fogo médio, aqueça o azeite numa panela de fundo grosso, de preferência de barro e doure a cebola;
  2. Acrescente o alho e a pimenta dedo de moça e refogue por uns minutinhos;
  3. Adicione o tomate e o pimentão e refogue até amaciarem;
  4. Acrescente o leite de coco e mexa até ferver;
  5. Reduza o fogo e acrescente o açafrão diluído na água;
  6. Acerte o sal e a pimenta e acrescente o camarão;
  7. Refogue só por uns 5 minutos para o camarão não ficar borrachudo;
  8. Desligue o fogo, acrescente o coentro e o dendê (não mexa o dendê) e tampe a panela;
  9. Aguarde uns 2 minutinhos e sirva com arroz branco;
  10. Por último, salpique umas folhinhas de coentro em cada prato;




terça-feira, 16 de setembro de 2014

Para variar, começando com o básico: sorvete de baunilha [com calda de morango e balsâmico]




 



Desde que a minha tão sonhada sorveteira chegou fico imaginando mil sabores para sua estreia. Então, quando já havia me decidido por um sorvete de manga, manjericão e mel, o Chéri me convenceu a começar do básico, só para variar. E já que o básico de que estávamos falando era sorvete de baunilha bem baunilhudo, de minhas favas de madagascar, eu topei. 

E também porque não consigo me contentar sem inventar alguma firula, fiz "questã" de fazer uma calda de morango com vinagre balsâmico para acompanhar. ;-)

A receita do sorvete veio do próprio manual da sorveteira (acessório da minha sócia e comparsa de todos os crimes- Dona Kristineide) e é a clássica base de creme de leite e ovos, praticamente um creme inglês. 

O resultado? Sem modéstia e com um certo deslumbre: o melhor sorvete de baunilha da minha vida. A massa ficou macia, leve e pontilhada das sementes mágicas de baunilha. Quer saber a diferença? Baunilha da melhor qualidade e em quantidade que nenhum comércio fará para você. E este é o segredo do sabor superior do alimento feito em casa: não é para vender, não se busca uma margem de lucro que limita e define a qualidade e quantidade dos ingredientes. É puro deleite. 


Sorvete de baunilha
do manual da sorveteira "Kitchenaid"
rendimento: 1,5l


Ingredientes:
  • 8 gemas de ovo;
  • 600ml de half-and-half (mistura de 300ml creme de leite fresco e 300 ml de leite integral);
  • 230g de açúcar;
  • 600ml de creme de leite fresco;
  • 1 fava de baunilha;
  • 1 pitada de sal;

Preparo:
  1. Numa panela em fogo médio baixo aqueça o half-and-half  juntamente com a fava de baunilha (abra longitudinalmente, retire as sementes com a ponta de uma faca e despeje-as diretamente no leite, juntamente com a fava, para extrair o máximo do sabor da baunilha). Não deixe ferver, quando bem aquecido desligue o fogo e deixa a baunilha em infusão;
  2. bata as gemas e o açúcar na batedeira (velocidade 2) até branquear e a mistura se tornar espessa. 
  3. Na velocidade 2, vá acrescentando bem lentamente o half-and-half (retire antes a fava de baunilha) e bata até incorporar;
  4. Volte a mistura da batedeira para a panela e cozinhe novamente em fogo brando, mexendo sempre, até engrossar ligeiramente e bolhinhas de fervura começarem a se formar nas beiradas da panela. Não deixe ferver. (este processo chama-se temperar as gemas e serve para você não cozinhá-las ao levar ao fogo diretamente, virando ovo mexido); 
  5. Verta o creme numa jarra ou tigela com bico (para facilitar na hora de despejar na sorveteira) cubra com filme plástico e refrigere (na geladeira, não no freezer) por, no mínimo 8h, melhor se da noite para o dia;
  6. Despeje o creme na sorveteira de acordo com as instruções do fabricante e bata até atingir a consistência cremosa de sorvete (uns 25 min). Transfira para um pote com tampa e leve ao freeezer até firmar (umas 2h, aproximadamente);
  7. Retire do freezer uns 10minutinhos antes e sirva com os acompanhamentos de sua preferência




segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Leite de coco feito em casa e biscoitinhos "cocumelos" sem glúten








Adoro coco e tudo com sabor ou perfume de coco (incluindo aí cremes, shampoos, etc.) Daí que quando assisti ao episódio do Bela Cozinha no qual ela ensinava a fazer em casa leite de coco, de amêndoas ou outras castanhas, literalmente corri para o supermercado e comprei coco fresco. 

Isto porque uma das coisas que me impedia de fazer muitos quitutes com coco era o tal do leite de coco de supermercado - que tem um gosto bizarro, além de vários componentes não naturais. Então fiz leite de coco e não parei mais. [bata no liquidificador 1 xícara de coco fresco cortado em pedaços com 3 xícaras de água (aumente ou diminua a quantidade para um leite mais ou menos espesso) quase fervente por 2 minutinhos, verta sobre um coador coberto uma fraldinha ou outro pano bem fininho e coe até retirar todo o leite, torcendo o paninho no fim do processo. Guarde as sobras para fazer quitutes, como este biscoitinhos] Comecei a consumi-lo com a granola matinal. Apenas por uma questão de sabor, já que não tenho problemas com ingestão de  lactose. 

 Com este novo hábito, acumulei quase meio quilo das sobras do coco obtidas na produção do leite. Fui guardando no congelador até decidir o que de melhor fazer com elas.  E foi aí que descobri no site da comunidade do panelinha, este biscoito super mega ultra fácil de apenas 3 ingredientes: clara de ovo, coco ralado e açúcar de confeiteiro.  

O resultado é um biscoitinho felpudo bem crocante e rico em fibras naturais do coco. Melhor ainda para quem tem intolerância a glúten ou está fazendo algum tipo de dieta restritiva.  ;-)

É quase uma cocadinha, perfeitos para acompanhar uma xícara de café bem quente.  Só recomendo comer na hora, pois os meus guardei depois de frios numa latinha e perderam a crocância.


"Cocumelos" - meus biscoitinhos felpudos de coco

tempo de preparo: 20 min + 15 de forno
rendimento: aproximadamente 30 biscoitinhos 


ingredientes: 
  • 2 claras de ovos (70g);
  • 160g de coco seco ralado;
  • 120g de açúcar de confeiteiro (acho que não é possível substituir por açúcar refinado pois este iria caramelizar e queimar os biscoitos);

preparo:
  1. pré aqueça o forno a 180ºC e prepare uma assadeira com papel manteiga ou tapete de silicone;
  2. Misture todos os ingredientes numa tigela;
  3. Em uma tábua ou superfície de trabalho forme um retângulo com a massa de aproximadamente 1cm de espessura;
  4. Modele os biscoitos com o cortador de sua preferência e asse por 15 minutos ou até as beiradas começarem a dourar;
  5. Deixe esfriar sobre uma gradinha e sirva;

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Jantar fit com ervilhas tortas e couscous de quinoa à minha moda árabe





Continuando a cozinha experimental de inspirações longínquas, preparei este couscous misturando sabores que tenho como árabes. Foi rápido, fit e cheio de aromas que trouxeram à noite de uma terça feira qualquer um gostinho especial. :-)

Cozinhei 1 xícara de quinoa em 2 xícara de água salgada fervente enquanto separei uns montinhos de uva passas brancas, amendoim torrado sem casca, e uma tampinha de água de flor de laranjeira. Então escorri o líquido do cozimento quando os grãozinhos ficaram al dente e aqueci um fio generoso de azeite numa frigideira grande. Refoguei rapidamente a quinoa, juntei o amendoim e as passas, acertei o sal, ralei um pouquinho de noz moscada e, por último, lancei um splash de água de flor de laranjeira, o que faz toda a diferença. Servi sobre um punhado de ervilhas tortas que assei no forno com azeite sal e pimenta do reino.

Uma delícia nutritiva que alimenta e dá prazer.  :-)

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Sopa de inspiração asiática de abóbora, pasta de curry, leite de coco, coentro e amendoim








Tempo louco que nos faz preparar sorvete num dia e sopa rica em especiarias para esquentar a alma no outro...  

E esta sopa, para variar, foi um improviso com o que tinha em casa (por isto é sempre bom ter coisinhas legais em casa), muito rápida de se fazer e sucesso absoluto de sabores e texturas.

Fiz um mix de ingredientes de culinárias asiáticas sem qualquer pretensão de criar algo para se chamar de típico. Aconteceu que a minha propensão -quase compulsão- de combinar o paladar salgado ao doce levou-me a sabores incríveis nesta sopa.

Sabores, texturas e muitos adjetivos para descrevê-la: teve o apimentado da pasta de curry, a profundidade do sabor da abóbora assada com casca, a oleosidade perfumada do amendoim tostado, a doçura discreta e leve do leite de côco,  o ácido cremoso do iogurte grego caseiro e o toque final refrescante e aromático do coentro. 

Você pode usar a receita como inspiração e fazer com o que tem em casa... omitindo um ou outro ingrediente, substituindo amendoim por castanha de caju ou do pará...  se não tiver pasta de curry use cominho e pimenta dedo de moça bem picadinha... e por aí vai. 


Sopa thaindian

preparo: 30 minutos;
rendimento: 4-6 porções

Ingredientes
  • 1/2 abóbora cabotiá (japonesa) com casca (bem lavada) e bem assada em cubinhos com azeite e pimenta do reino moída na hora;
  • 1 e 1/2 litro de caldo de legumes caseiro (ou use simplesmente água, se não tiver o caldo estocado);
  • 1/2 xícara de leite de côco (preferencialmente caseiro);
  • 1 xícara de amendoim torrado, sem pele e moído no pilão (para uma textura mais rica);
  • 1 c. sopa de pasta de curry tailandesa (ou use cominho em pó com pimenta dedo de moça em pedacinhos);
  • iogurte grego a gosto;
  • sal a gosto;
  • coentro a gosto.
Preparo: 
  1. Aqueça o caldo de legumes numa panela grande, retire um pouco para dissolver a pasta de curry e devolva para a panela já com a pasta dissolvida;
  2. acrescente a abóbora já assada e deixe cozinhar uns minutos para mesclar os sabores;
  3. Com um processador de mão (se não tiver vai no liquidificador mesmo...) bata a sopa direto na panela até obter um creme;
  4. Acrescente o leite de côco e deixe cozinhando com a panela aberta para reduzir um pouco se a sopa ficar muito líquida com a adição do leite de côco;
  5. Acrescente o sal  e acerte o tempero da sopa;
  6. Despeje metade do amendoim socado no pilão na sopa , um pouco de coentro, misture uns minutinhos para agregar os sabores e desligue o fogo;
  7. Sirva as porções e finalize cada prato com um colherada de iogurte grego, uma salpicada de amendoim e outra salpicada de coentro fresquinho;

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Um petit gateau de chocolate prático, fácil, perfeito e delicioso






Com jeitinho e malemolência este bolinho irresistível - de tão fácil e tão gostoso - furou a fila dos vários quitutes que estão na espera da fama e roubou a cena, isto é, o post. 

Podem dizer que é démodé, cafona, manjado ou lugar comum...  mas quem pode virar o rosto para um bolinho chocolatudo quentinho servido com o azedinho das frutas vermelhas e um sorvete de creme bem gelado? Tem contraste, tem textura, tem sabor... e não é excessivamente doce. 

Só o que eu não sabia é que é bem fácil e prático de preparar: duas tigelas, um banho maria e quantidades absurdas de manteiga e chocolate de boa qualidade (de preferência acima de 60% cacau). Ainda dá para fazer com antecedência, deixar na geladeira em forminhas individuais e assar na hora de servir, pois é questão de 15 minutos no forno.

Esta receita é do meu livro do curso de confeitaria (IGA) e rende 10 forminhas como a da foto. Fiz e presenteei amigos e já prometi uns não sei quantos para as pessoas que viram a foto. ;-)


Petit gateau au chocolat

Ingredientes:

  • 250g de manteiga sem sal;
  • 250g de chocolate meio amargo ou amargo de boa qualidade (é a qualidade do chocolate que faz o seu bolinho mais gostoso);
  • 5 ovos;
  • 150g de açúcar refinado;
  • 100g de farinha de trigo
  • 1 pitadinha de fermento (opcional);

Preparo:
  1. Derreta em banho maria (ou no microondas) o chocolate bem picadinho com a manteiga cortada em cubinhos. Reserve e deixe esfriar;
  2. Numa tigela bata os ovos com o açúcar apenas até quebrar as gemas, não precisa branquear;
  3. Despeje esta mistura de ovos na tigela com o chocolate e manteiga derretidos e mexa até incorporar;
  4. peneire a farinha e o fermento 9se estiver usando) sobre a tigela com os outros ingredientes e mexa até obter uma mistura homogênea (sem grumos de farinha);
  5. Unte e polvilhe com cacau 10 forminhas individuais de petit gateau (é a mesma utilizada para bombocado e a mesma que uso para assar cupcakes) e distribua a massa entre elas, deixando um dedinho de borda;
  6. pré aqueça o forno em 190-200ºC;
  7. Asse no forno pré aquecido por 10-15 minutos ou até que você perceba que as bordas estão cozidas e o centro está mais cru, porém firminho se você chacoalhar o fogão um pouquinho. cada forno é diferente então o jeito é testar no seu e deixar um pouco menos ou um pouco mais na segunda tentativa;
  8. Se preferir, leve á geladeira coberto com papel filme até a hora de assar. Pode ficar no refrigerador por até 2 dias;
  9. Também é possível congelar depois de assado e esquentar rapidinho no dia em que for consumir, mas ainda não testei.
  10. Sirva com o clássico sorvete de creme ou com frutas vermelhas frescas e sorvete de frutas vermelhas, pois o azedinho destas frutas complementa divinamente o chocolate do bolinho. 

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Linguini com frutos do mar e vinho branco para um inverno quente como verão.






Domingo. Fazia calor e era dia de feira. Não foi difícil sair da cama, abrir todas as janelas da casa, ouvir o canto dos pássaros, respirar bem fundo e... estremecer como se mil agulhas houvessem perfurado minhas narinas, tamanha a secura do ar. 

Daí que pensei numa taça bem gelada de vinho branco, vista para o mar, dedos lambuzados de comer camarão à sombra do guarda sol e... -Corta! Ouço meus cachorros furando o esquema de isolamento e revirando o lixo orgânico da cozinha. 

[Limpa a bagunça, se esforça para não perder o bom humor e resolve preparar um almoço refrescante com massa caseira e frutos do mar. É isso aí garouta!]

Volto a pensar na praia, nas lindas praias da Ligúria e da Costa Amalfitana que um dia hei de conhecer, com sorte,  na primavera. Então me lembro dos meus dois 'amigos' italianos gulosos Antonio Carluccio e Gennaro Contaldo, de quem já falei por aqui, e acho em seu livro Buon Appetito uma receita de linguini com mexilhões (quer adaptei para vongole) e camarão, exatamente como queria. 

Consegui os frutos do mar fresquinhos na feira -e ainda descobri que a temporada de pesca de sardinhas recomeçou e não vejo a hora de assá-las fresquinhas. Comprei um vinho chardonnay no mercado e utilizei o meu último pacotinho de tinta de lula para deixar o linguini pretinho e com gosto da brisa do mar mediterrâneo.

Como eu nunca havia preparado vongole, pesquisei um pouco e consegui umas dicas legais lendo este artigo no The Guardian - como preparar um espaguete ao vongole perfeito

O Cheri me ajudou a finalizar a sova da massa (como sempre...), a abri-la na máquina e terminamos tudo em 1h30, começando do zero. Se você usar massa pronta em 20 minutos prepara esta refeição maravilhosa, suculenta e refrescante, perfeita para quando outro dia quente e seco de verão engolir nosso inverno.


Linguini alle vongole e gamberi
rendimento: 4 pessoas
preparo: 20 min + 10 de cozimento


Ingredientes:

  • 400 g. de linguini ou spaghettini caseiro ou comprado pronto;
  • 250g de camarão limpos;
  • 450g de vongole na concha (ou mais ou menos, depende do seu gosto);
  • 50ml de vinho branco seco;
  • suco de 1 limão siciliano;
  • 1/2 pimenta vermelha (usei dedo de moça) picada em tiras fininhas;
  • 2 c. sopa de pimenta biquinho em conserva (OPCIONAL - adição minha na receita para dar mais acidez e cor no prato);
  • 6 c. sopa de azeite extra virgem;
  • 2 dentes de alho espremidos ou bem picadinho;
  • 1/2 maço de salsinha bem picada;
  • sal e pimenta do reino á gosto

Preparo
  1. Comece lavando bem o vongole em água fria, esfregando as conchas com as mãoes ou uma escovinha para retirar qualquer sujeira. Enxague bem e deixe de molho numa tigela com água fria e sal na geladeira, até o momento de usá-lo;
  2. Pique todos os ingredientes e coloque a água de cozimento da massa (com bastante sal) para ferver;
  3. Numa frigideira de boca larga,  com tampa e beiradas altas aqueça o azeite. Refogue o alho e a pimenta dedo de moça picadinha;
  4. Enxague novamente em água fria o vongole e depois seque bem com um pano limpo. Despeje-os na frigideira e cubra com  a tampa por uns 5 min ou até a maioria das conchas abrirem;
  5. Neste momento coloque o linguini para cozinhar. Acrescente os camarões à frigideira e cozinhe por 4-5 minutos, virando-os se necessário (não cozinhe muito para não ficarem borrachudos);
  6. Acrescente o suco do limão e a pimenta biquinho, misure, tire a panela do fogo e adicione a salsinha picada;
  7. Tempere com sal e pimenta, escorra o linguini e junte-o à frigideira com os frutos do mar. Misture tudo e sirva imediatamente com uma taça de vinho branco bem gelada.
Nota: Se quiser fazer a massa caseira deixo a dica da receita que fiz desta vez porque ficou lisa, macia e ao mesmo tempo fácil de abrir na máquina. 


Linguini com tinta de lula para 3-4 pessoas:
  • 200g de farinha de trigo;
  • 100 g de semolina;
  • 3 ovos;
  • um pacote de tinta de lula.
  1. Misture a tinta de lula aos ovos e reserve.
  2. Misture as duas farinhas numa tigela e abra um buraco no centro;
  3. Despeje a misture dos ovos neste buraco e vá incorporando a farinha até conseguir formar uma bola. Se necessário acrescente mais uma gema. 
  4. Leve a massa para a bancada enfarinhada (levemente) e sove até a massa ficar homogênea, macia e elástica;
  5. Forme uma bola e embrulhe no papel filme;
  6. Deixe descansar por meia hora (no mínimo);
  7. Divida a massa em três ou quatro porções e abra no rolo até a espessura 7;
  8. Passe no cortador de linguine e deixe-as penduradas até o momento de uso. 









segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Frutas vermelhas com creme inglês






Como poderia dizer Rita Lobo, o creme inglês é um ingrediente coringa na cozinha prática, especialmente no reino das sobremesas. Além de ser de preparo rápido, pode ser feito com antecedência e mantido na geladeira por 5 dias.  Ele é delicado, suavemente doce e transforma qualquer fruta , torta, bolinho, pudim, pãozinho doce, gelatina... numa sobremesa elegante. 

Perfeita para o café da manhã de um belo dia de domingo. 
Perfeita para finalizar um almoço farto de dia dos pais.
Perfeita para engrandecer um jantar corrido de meio de semana. 
Perfeita para um lanche da tarde acompanhando o chá.
Perfeita para um ataque de gula na madrugada...

E foi assim que trouxe algum glamour para o nosso café da manhã de domingo: não tinha bolo, nem torta, nem pãozinho doce, mas havia morangos e 2 bandas desparceiradas de romã catadas numa árvore encontrada na vizinhança. Então preparei o creme inglês com raspas de laranja (porque acho que laranja combina muito bem com morangos) deixei esfriar um pouquinho e cobri o fundo de um prato de sobremesa com ele. Adicionei os morangos e as sementinhas de romã e ainda, para fazer uma bossa, moí um pouco de pimenta do reino por cima de tudo. 

Anota aí a receita do creme inglês e combine com o seu doce, bolo, sorvete ou fruta preferida ;-)


Creme inglês

Ingredientes:


  • 3 gemas grandes;
  • 65 g de açúcar;
  • 250ml de leite;
  • 1 fava de baunilha;
  • raspas de laranja (opcional);



Preparo:
  1. Abra a fava de baunilha, raspe as sementes e adicione ao leite. Acrescente as raspas de laranja a seu gosto. Leve ao fogo até a primeira fervura. Desligue e deixe a baunilha e as cascas de laranja em infusão no leite por uns 10 minutos; 
  2. Enquanto isto coloque uma panela de boca larga (em que vc fará o banho maria) com dois dedos de água para ferver e numa tigela bata com um fouet as gemas e o açúcar até obter uma mistura clara e cremosa;
  3. Com uma peneirinha coe o leite em cima das gemas batidas e misture com uma colher;
  4. Verta esta mistura em uma panelinha menor do que a que está com água fervente e leve-a ao banho maria 'suspenso' (em que a panelinha ou recipiente esteja em contato apenas coma água fervente). Se desejar, acrescente mais umas raspinhas de laranja para acentuar o sabor cítrico;
  5. Vá mexendo com uma colher até o creme ficar a mistura cobrir as costas da colher e não escorrer;
  6. Retire do fogo, coe novamente e use na sua sobremesa. O creme inglês dura até 5 dias na geladeira;

Notas importantes:
  1.  O creme inglês é bem menos espesso do que o creme de confeiteiro. Sua textura deve estar lisa e aveludada;
  2. Como é um creme feito a base de gemas, a temperatura deve estar baixa e bem controlada para não correr o risco de virar ovo mexido;
  3. Para evitar que as gemas cozinhem e solidifiquem (encaroçando o creme e virando ovo mexido) garanta que o recipiente que utilizar para o banho maria não entre em contato com as laterais da panela de água fervente, pois isto faz com que o calor seja transferido e aumenta a chance das gemas cozinharem. Por isto prefiro usar uma panelinha com cabo do que uma tigela: é mais cômodo de sustentar e evita que se queime os dedos com o vapor da água que está embaixo;

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Rocambole de chantilly e morango e outros quitutes de picnic






E no prato amarelo de bolo que resplandecia sobre a toalha florida do nosso picnic estava este rocambole de morango e chantilly, levíssimo e refrescante como esperei que estivesse. Tão delicioso que sua presença entre nós durou algo como 5 minutos. 

E foi assim que arrisquei e descobri que rocambole é um ótimo bolo de picnic.  É rápido e prático de se fazer e ainda fácil de carregar e de comer com as mãos.

Como eu já havia comentado nesse outro post, a falta de arborização nos parques e praças reduzem nossa experiência em passar um dia de domingo no parque a algumas semanas de inverno, quando ele resolve dar as caras, é claro.

Um picnic é a realização do meu ideal de vida simples e por isto mesmo, tento não complicar ;-) 

Levo quitutes caseiros e de fácil preparo, nada espetaculoso, pois para mim o mais importante não é o banquete  e sim o lazer desapressado ao ar livre... a possibilidade de atravessar a rua com  uma cesta na mão e passar o dia longe do automóvel, do trânsito, do shopping, do barulho da televisão e do entretenimento eletrônico tão fácil que nos distrai de nós mesmos por mais tempo do que gostaríamos. 



Desta vez levamos jornal, livro, os cachorros e o slackline, a nova diversão da família (ok, menos do Pedro...)  Passamos 4 horas na praça/parque da minha vizinhança petiscando estas  gostosuras que preparei com apenas itens que havia na geladeira e despensa e que deixo aqui como sugestão. 

Posso dar uns pitacos? Prefira quitutes que dê para comer com a mão e guardanapo, embalagens com tampa, leves de carregar e não se esqueça de levar uma sacola para o lixo ;-) E para aqueles com um interesse mais aprofundado e engajado sobre o tema sugiro a leitura deste artigo sobre picnic e estilo de vida sustentável.




  1. Milho verde cozido;
  2. torradinhas do pão francês acumulado da semana;
  3. manteiga aromatizada com raspas de limão [siciliano], pimenta do reino e sal para comer com milho (ahá- saia da rotina com ideias simples!) e com as torradinhas;
  4. mexerica, pera e pêssegos da fruteira;
  5. amendoim torrado e semente de abóbora sem casca;
  6. morangos frescos;
  7. queijo mozzarella em cubinhos com damasco e uva passa branca;
  8. tomatinhos cereja;
  9. rocambole espetáculo de morango e chantilly cuja receita segue adiante;
  10. seleção de chás diversos;

C'est tout, c'est si bon!


Rocambole de morango com chantilly

receita de pão de ló do programa Cozinha Prática da Rita Lobo
tempo de preparo: 15 min + tempo de forno (15-20 minutos, dependendo do seu forno)
rendimento: 1 forma retangular de 40x60cm

Ingredientes para o pão de ló
  • 5 ovos;
  • 5 colheres de sopa de açúcar;
  • 5 colheres de sopa de farinha;
  • leite para molhar a massa depois de pronta;
Ingredientes para o recheio e decoração
  • 2 xíc. de chantilly (creme de leite fresco batido na batedeira, adicionando 3 c. sopa de açúcar de confeiteiro ao final);
  • 1 caixa de morangos -ou uns quinze pelo menos

Preparo:
  1. unte e enfarinhe uma forma retangular e pré aqueça o forno em 170ºC;
  2. separe as claras das gemas;
  3. Em velocidade média/alta bata as claras na batedeira até formares picos;
  4. Adicione o açúcar e continue batendo até obter uma clara em neve bem firme;
  5. Diminua a velocidade da batedeira para média e acrescente as gemas, uma por vez. A partir deste momento a ideia é bater o menos possível para não perder o volume das claras;
  6. Diminua a velocidade da batedeira para baixa e incorpore a farinha um pouquinho de cada vexz, batendo apenas o necessário para incorporar;
  7. Despeje a massa na forma preparada e alise delicadamente a superfície com uma espátula para nivelar;
  8. Asse o tempo suficiente para que a massa se descole das beiradas da assadeira e adquira uma superfície corada;
  9. Enquanto a massa está no forno aqueça um pouco de leite para umedecê-la antes de rechear, bata o chantilly e lave e corte os morangos em cubinhos. Ou ainda prepare outro recheio de seu gosto;
  10. Assim que tirar do forno a massa desenforme rapidamente sobre um pano de prato limpo e úmido com a parte mais lisa voltada para cima;
  11. Molhe o pão de ló com o leite quente (aromatizei o meu com licor amaretto) ua colherada por vez para não encharcar a massa;
  12. Espalhe o chantilly sobre a massa com uma espátula e acrescente os morangos picados;
  13. Utilizando o pano úmido vá enrolando a massa com firmeza;
  14. Corte as duas pontas e transfira para o prato de servir. Polvilhe açúcar de confeiteiro por cima e decore com alguns morangos, ou corte tudo em fatias e leve para o seu picnic ;-)  

terça-feira, 29 de julho de 2014

Bolo de chocolate com calda de caramelo






Tem época em que tenho preguiça de cozinhar e falta inspiração para escrever. Quando isto acontece é silêncio no blog. E o silêncio pode durar até dois meses.

Tem época em que sou engolida pelos afazeres e não consigo chegar perto do fogão. Quando isso acontece é a alegria da pizzaria do bairro e do filho adolescente. E a alegria pode se repetir três ou quatro vezes por semana.

Mas tem época em que as coisas se desenrolam no ritmo certo e entro em plena sintonia com a vidinha simples que escolhi querer viver. Quando isso acontece é dia de comer bolo de chocolate: simples, prático, saboroso e coberto por uma estonteante calda de caramelo salgada quentinha. E o bolo pode acabar em questão de minutos com direito a disputa de tapas pela última fatia.  ;-)

A massa deste bolo é bem equilibrada (nem leve nem densa demais) e pouco doce, por isto é bastante versátil. Com ela já fiz bolo em camadas de aniversário, bolo simples acompanhar o chá e até cupcake. É estranho adicionar água fervente no final mas confia que dá certo.

E uma dica para deixar o seu bolo sem rastros de farinha depois de desenformado é untar com manteiga e "enfarinhar" com cacau em pó. 

A calda de caramelo é a mesma que uso desde sempre que você pode pegar a receita no link no texto acima.



Bolo de chocolate

receita do pecaminoso livro kiss my bundt
rendimento: 1 formacom furo no meio de 23 cm
tempo de preparo: 15min + 40 minutos de forno

Ingredientes:

  • 1 e 3/4 xíc. de açúcar;
  • 2 xícaras de farinha de trigo;
  • 3/4 xícara de cacau em pó (da melhor qualidade possível);
  • 1 e 1/4 colher de chá de bicarbonato de sódio;
  • 1 e 1/4 de colher de chá de fermento químico;
  • 3/4 de colher de chá de sal;
  • 2 ovos em temperatura ambiente;
  • 1 xícara de leite;
  • 1/2 xícara de óleo vegetal (prefira um mais suave como amendoim ou girassol);
  • 2 c. chá de extrato de baunilha natural (se artificial reduza à metade);
  • 1 xíc. de água fervente;

Preparo: 
  1. Pré aqueça o forno em 180ºC e unte e enfarinhe a assadeira;
  2. Numa tigela grande peneire a farinha, açúcar, cacau, bicarbonato de sódio e fermento;
  3. Na batedeira em velocidade média bata os ovos, leite, óleo, sal e extrato de baunilha, apenas até tudo se misturar (1 min aprox.);
  4. Diminua a velocidade e adicione os ingredientes secos, 1/2 xícara por vez, evitando formar grumos (eu fiz esta parte fora da batedeira, com uma espátula);
  5. quando tudo estiver misturado, acrescente a água fervente;
  6. transfira a massa para a forma (o ideal é preencher 3/4 da forma com a massa);
  7. Asse até quando colocar um palito no centro da massa e este sair limpo;
  8. retire do forno e deixe esfriar por 15 min. antes de desenformar; 






segunda-feira, 2 de junho de 2014

Arroz com lentilhas e berinjelas "Que Marravilha"



Num dia destes que começam lentamente e se arrastam até o momento em que algo realmente te convence a levantar o traseiro do sofá, o que mudou minha perspectiva foi o programa "Que marravilha -revanche", que dos nacionais é o que mais gosto. 

Assistindo o programa vi o preparo de um arroz de cordeiro árabe em que o Claude inovou enformando-o  com as berinjelas grelhadas. Achei muito apetitoso e resolvi fazer também à minha maneira, isto é, sem cordeiro (porque não tinha em casa) e com lentilhas. para finalizar, caramelizei cebolas cortadas em fatias mais finas que consegui e pistaches torradinhos que estavam dando sopa na despensa. 

Este prato único é uma refeição completa, deliciosa para se comer nesse dias mais friozinhos de fim de outono. Pode parecer o contrário mas é super fácil de se fazer e as berinjelas grelhadas aderem perfeitamente na forma untada com óleo vegetal ou azeite e saem super fácil na hora de servir. 

 Além do pistache, ficaria uma delícia com pinoli, que em árabe é chamado de snoobar, ou ainda com aquelas sementes de abóbora verdinhas sem casca que você encontra em empórios árabes. 



Arroz de lentilhas com berinjelas grelhadas
preparo: 1h, aproximadamente
rendimento: uma forma igual à da foto (com furo no meio de 23 cm);


Ingredientes:
  • 1 xícara de arroz lavado e escorrido;
  • 1 xícara de lentilhas lavadas e escorridas;
  • 1/2 cebola em cubinhos;
  • pimenta síria e sal  a gosto;
  • azeite para refogar;
  • 2 ou 3 berinjelas (ou o suficiente para forrar a sua forma) fatiadas no sentido do comprimento na espessura de 25 mm grelhadas com azeite e sal
  • 1 cebola cortada em fatias finas;
  • 1 punhado de pistaches (ou outra castanha, vide texto) tostados rapidamente na frigideira;


Preparo:

  1. Preferencialmente numa panela de barro (que dá mais sabor) e em fogo médio refogue a cebola em cubinhos no azeite e adicione a pimenta síria;
  2. Refogue o arroz e em seguida a lentilha;
  3. Cubra com água deixando um dedo acima do nível dos grãos, acerte o sal, deixe a  panela semi tampada e cozinhe até a água secar e os grãos cozinharem (mesmo processo de fazer arroz);
  4. Enquanto os grãos cozinham vá grelhando as berinjelas;
  5. Unte uma forma com furo no meio com óleo ou azeite e disponha as tiras de berinjelas grelhadas de modo a cobrir toda a superfície da forma e deixando uma sobra para virar depois (como demonstrado nas fotos); 
  6. Pré aqueça o forno à 200ºC;
  7. Solte os grãos da panela com um garfo e preencha a forma preparada com as berinjelas grelhadas até próximo da beira, pressionando bem os grãos para ficar compacta. Vire as sobras da berinjela para cobrir o fundo da assadeira também;
  8. Numa frigideira antiaderente refogue as cebolas sem óleo nenhum, apenas vá mexendo em fogo médio até caramelizarem e eventualmente queimarem um pouquinho no fundo para dar aquele sabor de atentado terrorista que os melhores pratos árabes possuem;
  9. Leve ao forno a forma preparada por uns 10 minutinhos apenas para aquecer;
  10. Desenforme no prato de servir, jogue as cebolas caramelizadas por cima e após os pistaches tostadinhos;
  11. Sirva com uma salada de pepinos e molho iogurte com hortelã bem refrescante.






















sexta-feira, 30 de maio de 2014

Creme de abacate com praliné de pecans






Creme de abacate é uma das poucas sobremesas do dia a dia, daquelas que tinha sempre em casa num almoço qualquer de quarta feira, que faz parte das minhas memórias de infância. Era tão bom que nunca parei de fazer e é uma das poucas receitas de família que não alterei ingredientes e proporções com o passar do tempo.

Até que no domingo passado não sei porquê resolvi fazer firula e inventei de combiná-lo com um praliné de pecans. Além do visual mais convidativo, combinou tanto o crocante docinho com o cremoso cítrico (devido ao limão que adiciono ao creme) que soube na primeira colherada que havia inaugurado um clássico ;-)

Creme de Abacate: 
rendimento: 6 porções 
preparo: 5 minutos

Ingredientes

  • 1 abacate bem maduro e bem grande;
  • suco de 1 limão;
  • 1 lata de leite condensado;
Preparo: bata tudo no liquidificador. 


Praliné de pecans
rendimento: 1 xícara
preparo: 15 minutos

Ingredientes:
  • 50g de pecans sem casca obviamente (ou outra noz/castanha de sua preferência);
  • 100g de açúcar refinado;
Preparo:
  1. Numa frigideira de beirada alta, em fogo médio, derreta o açúcar até virar um caramelo cor de guaraná, mexendo com uma colher ou espátula;
  2. Desligue o fogo, junte as pecans e mexa bem para incorporar;
  3. Despeje tudo num tapetinho de silicone ou no mármore untado com um pouco de óleo;
  4. Espere esfriar e num pilão soque as pecans para formar uma farofinha. Eu prefiro o praliné mais pedaçudo, mas se preferir processe alguns minutos para um consistência de farofinha fina;
  5. Sirva sobre o creme de abacate, ou sobre sorvete, pudim, panacota... 































segunda-feira, 26 de maio de 2014

Chocolate quente cremoso para uma noite fria de chuva



Domingo à noite. Frio. Chuva fina. Preguiça de sair de baixo do cobertor de pelucinha.
Domingo um pouco mais à noite. Frio. Chuva Fina. Gula. Vontade de chocolate quente.  Quente e cremoso. 
Preguiça de preparar qualquer coisa mais complicada do que:

2 xícaras de leite integral;
1/4 xícara de gotas de chocolate meio amargo;
1/4 xícara de cacau 100% belga;
1 pitada de sal;

Coloque tudo na panelinha em fogo médio-baixo, mexa até dissolver o pó de cacau e derreter o chocolate. Aumente o fogo, deixe ferver e desligue imediatamente, antes de rapidamente transbordar e lambuzar toda a boca do fogão, destruindo seus planos de correr de volta para debaixo do cobertor A.S.A.P. 

Adicione o sal, mexa bem e sirva numa xícara ou caneca fofa com espuma de leite, chantilly, canela em pó, marshmallows ou simples assim, cremoso assim, que já é UMA delícia. 

Gostaram? Façam nessa onda de friozinho que ainda dá tempo. 

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Cozinha intuitiva parte II: Gnocchi de cenoura e batatas com molho pesto e espinafre






Quando eu estava no Rio preparando o bolo e os quitutes do aniversário do meu amado sobrinho afilhado, contei com a ajuda da Fran, a filha fofa de uma amiga querida que adora e tem talento para a cozinha. Com o papo rolando solto em meio aos preparativos perguntei faceira qual era o o seu prato especialidade e ela, do alto de seus treze anos (acho eu), me disse que era gnocchi de mandioquinha com molho de gorgonzola. 

Oooô quê?? 

Fiquei realmente encantada até porque eu mesma, do alto dos meus trinta e tra lá lá anos NUNCA havia preparado gnocchi. Imaginava uma complicação... Perguntei como era que se faziam os benditos e com a maior naturalidade do mundo ela me contou o passo a passo que faz assim, de olho mesmo, na intuição.

Passadas umas boas semanas acordei mega indisposta numa sexta feira e não fui trabalhar. Depois de uma manhã inteira mosqueando na cama, tremendamente entediada, levantei, senti um buraco no estômago, olhei para as duas batatas e a única cenoura da minha cesta de legumes e resolvi fazer o gnocchi da Fran. 

Slow motion mode on.

Fiz como ela disse: cozinhei as batatas e a cenoura até ficarem bem molinhas, deixei esfriar, amassei com o garfo, coloquei  sal e metade das batatas, reservei numa tigela e a outra processei rapidinho juntamente com a cenoura e despejei em outra tigela.  Assim ia fazer gnocchi bicolor para alegrar meu dia de doente. 

Em cada uma das tigelas misturei um tanto de grana padano raladinho e fui acrescentando farinha de trigo até achar o ponto ideal para modelar os gnocchizinhos. Parece que acertei o ponto da massa com cenoura pois conservou melhor sua forma após o cozimento. Fui cortando os pedacinhos e passando num utensílio de madeira que comprei na Itália para fazer ranhuras, o que aparentemente não funcionou :-(

Fervi a água com bastante sal e joguei meus bebezinhos lá. Aos poucos foram boiando, fui retirando com uma escumadeira, escorrendo bem e jogando direto numa frigideira forrada com manteiga de garrafa bem quente para dar uma salteada.  Desliguei o fogo, tchotchei mais um tanto de grana padano na frigideira, misturei bem delicadamente e servi (a mim mesma) sobre folhas de espinafre temperadas com sal azeite e limão e salpiquei os últimos suspiros do molho pesto que havia feito uns dias atrás. 

Não preciso dizer que ficou divino, né? Adorei e tirei a cisma de gnocchi pronto que tem gosto só de farinha. A combinação da cenoura adocicada com o salgadinho do grana padano me ganhou.  Além de toda a gostosura rende um bocado: as duas batatas e a cenoura que cozinhei poderiam alimentar 4 pessoas! 

Agradeço a minha cozinheirinha Fran Fran pela bela receita que funciona ;-) 

terça-feira, 20 de maio de 2014

Cozinha mexicana intuitiva: Chili com carne e um apanhado dos restaurantes que comi por aí...





Acordei domingo decidida a fazer um almoço mexicano. Nunca havia feito em casa algo além de guacamole pois a expert em comida mexicana é a minha irmã garouta carioca e geralmente é ela quem prepara e nos convida. Em compensação, frequentemente vamos jantar em restaurantes mexicanos por aí e repertório de mesa é o que não me faltava.

Também acordei decidida a não procurar e seguir receitas. Se por um lado gosto e respeito a rigidez da confeitaria, adoro cozinhar livremente, apenas seguindo meus instintos e sem parar para pesar e medir ingredientes, conferir passo a passo etc. 

E foi assim que fiz um apanhado mental dos sabores mexicanos que já experimentei por aí, botei um feijão marronzinho mineiro para cozinhar sob a supervisão do Chéri e e me mandei para o supermercado buscar os víveres que faltavam. 

Cheguei com o feijão já cozido e  enquanto refogava a carne do Chili preparei os acompanhamentos. Em menos de uma hora estávamos almoçando e foi bem menos trabalhoso e muito mais fácil do que imaginei. O  Chili ficou um espetáculo, sobretudo devido à pimenta chilena defumada que um amigo nos presenteou. 

Para acompanhar servi queijo cheddar picadinho, sour cream caseiro, o meu guacamole habitual e pico de gallo. As tortillas de trigo compradas prontas foram o único ponto fraco do almoço e os meus críticos residentes que não são nada fáceis propuseram que da próxima vez eu mesma as faça. Exigentes não?  Seguem as receitas dummy-proof para um delicioso almoço mexicano. Fico devendo (ainda) as tortillas ;-)


Chili com carne
rendimento: 6 pessoas
tempo de preparo: 30 minutos + tempo de cozimento do feijão


Ingredientes:
  • 500g de carne moída (usei patinho moído 2x);
  • 3 xícaras de feijão rajado ou carioca (aquele marrom) cozido e escorrido; 
  • 2 xícaras de passata de tomate;
  • 1 lata de tomate pelado inteiro;
  • 1 cebola média cortada em cubinhos;
  • 1 pimenta chilli fresca picadinha 9se gosta picante não descarta as sementes;
  • 4 colheres de sopa de pimenta defumada em pó (se não tiver substitua por 1 c. sopa de cominho e 2 c. sopa de pimenta chili em pó;
  • azeite, sal e coentro à gosto; 
Preparo: 
  1. Numa panela ou frigideira de bordas altas (ou wok) refogue a pimenta fresca no azeite por alguns minutinhos;
  2. Acrescente a cebola picada e refogue até amaciarem;
  3. Acrescente 2 c. sopa de pimenta defumada em pó ou 1 c. sopa de cominho e 1 colher de sopa de pimenta chili em pó e misture;
  4. Acrescente a carne moída e refogue até cozinhar;
  5. Acrescente a passata de tomate e o tomate pelado;
  6. mexa de vez em quando e deixe apurar o caldo (uns 10 minutinhos);
  7. Adicione um tanto (uma mão cheia) de coentro fresco picadinho e misture;
  8. Prove e acerte o sal e adicione mais pimenta se preferir (a ideia é deixar o prato picante);
  9. Por último, acrescente o feijão cozido e escorrido, uma xícara de cada vez, até engrossar o molho mas não secá-lo. Aqui vai de gosto mais ou menos feijão;
  10.  Veja se é preciso acertar o sal novamente;
  11. Despeje no recipiente de servir e salpique bastante coentro por cima (se não gosta de coentro use salsinha, mas acho importante um tempero fresco para contrastar);
  12. Sirva com os acompanhamentos de sua preferência e recheie tortillas de trigo ou de milho;

Sour cream: Antes de começar a preparar o Chili, ou de preferência na noite de véspera despeje num potinho 1 xícara de creme de leite fresco e adicione 3 colheres de chá de limão espremido. Mexa até engrossar um pouquinho, cubra com papel filme e deixe descansar por no mínimo 1h. quanto mais tempo mais grosso fica; 

Pico de gallo: é uma espécie de vinaigrette mais sequinho. Pique meia cebola e 2 tomates em cubinhos bem pequenos. Acrescente cebolinha e salsinha picada, limão espremido, azeite e sal. Tudo assim a olho. Sirva em um potinho;

Para o Guacamole veja aqui esta minha receita ou faça a sua preferida



quinta-feira, 15 de maio de 2014

Spaghetti alla Carbonara e uma foto presente de dia das mães.





Para o dia das mães não tive dúvida de que prepararia este prato que é um dos clássicos favoritos aqui de casa. Bacon, ovos e queijo pecorino são melhores amigos desde criancinha e nós três adoramos todos eles.

Existem zilhões de receitas de spaghetti alla carbonara por aí mas esta que eu faço e aprendi na Itália é simples, deliciosa e particularmente difícil, quase impossível de errar. O engraçado é que não é um prato nada fotogênico e esta foi a primeira vez que (acho que) consegui fotografá-lo sem parecer uma gororoba "larica total." Considerei o fato um presente surpresa de dia das mães :-)

E também foi a primeira vez que me lembrei de usar noz moscada, como pede a receita tradicional,  ao invés da pimenta do reino que quase automaticamente coloco em tudo o que faço. E faz toda a diferença.  A noz moscada, com o seu frescor perfumado traz leveza a este prato em que predominam as gorduras da gema, bacon e queijo.

Prefira ingredientes de excelente qualidade: ovos fresquíssimos e caipiras, um bacon bem carnudo e o melhor queijo pecorino ou parmesão que encontrar. Eu faço tudo meio que a olho então fique confortável para aumentar e reduzir quantidades de acordo com o quanto você quer que o sabor dos ingredientes apareça no prato.



SPAGHETTI ALLA CARBONARA
rendimento: 4 porções sem repeteco
tempo de preparo: 30 minutinhos


INGREDIENTES

  • 1 pacote de spaghetti de sua preferência ou 400g de massa de spaghetti caseira;
  • 4 gemas e 1 ovo inteiro (tamanho grande). 
  • 200g de  bacon cortado em cubos;
  • 100g de pecorino ou parmesão ralado;
  • 1 fio de azeite;
  • noz moscada (fresca e ralada na hora) a gosto;
PREPARO:
  1. na espagueteira ou numa panela grande leve a água com bastante sal ( a ideia é ficar salgada como água do mar) para ferver;
  2. Enquanto isto, numa tigela grande (eu já utilizo um bowl de vidro que uso para levar à mesa) despeje as 4 gemas e o ovo inteiro e misture levemente. Acrescente o queijo ralado, um pouco de noz moscada ralada na hora, misture e reserve;
  3. Numa frigideira grande coloque um fio de azeite e o bacon em cubinhos e refogue em fogo médio até o bacon ficar crocante e o líquido bem quente. 
  4. Ao mesmo tempo em que começou a refogar o bacon, despeje o spaghetti na água fervente e cozinhe até ficar al dente. A idéia é que o bacon esteja crocante e bem quente ao mesmo tempo do cozimento da massa. Se preferir cozinhe o bacon antes, desligue o fogo e aqueça novamente ao fim do cozimento do spaghetti;
  5. Quando o spaghetti estiver al dente despeje o bacon quente na mistura de queijo e ovos e misture bem para as gemas cozinharem com a gordura quente do bacon;
  6. Escorra o spaghetti e misture ao molho na tigela. Transfira para a vasilha de servir e leve à  mesa;
  7. Sirva os pratos e rale mais um bocado de noz moscada por cima do spaghetti de cada prato. 

     

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Rocambole de mozzarella de búfala, presunto, folhas de espinafre, azeitonas pretas e molho pesto




Após a comilança desenfreada do feriado iniciei a semana no modo remissão ligado. Segunda feira jantamos uma sopa de favas, alho poró e espinafre -todos fresquíssimos adquiridos na feira de produtos locais de Serra Negra, cidade do Chéri, onde passamos o feriado. 

E no dia seguinte, para continuar a dar cabo no enorme maço de espinafre comprado (me acostumei a colher apenas a quantidade de folhas para uma refeição na minha horta que tinha esquecido desta correria antidesperdício), preparei este rocambole de mozzarella de búfala com coisinhas gostosas que estavam disponíveis na geladeira e despensa: presunto cozido, azeitonas chilenas suculentas e carnudas e um pesto que fiz rapidinho com manjericão do meu quintal (survivor) restinhos de um grana padano, alho, azeite e sementes de girassol tostadas.

Se você encontrar a "manta" de mozzarella de búfala para comprar, 80% do trabalho está feito. Depois é só organizar os ingredientes do recheio em camadas. No meu caso, fiz assim: 
  1. Forrei com papel filme uma tábua de servir;
  2. Coloquei a manta de mozzarella por cima;
  3. Cobri toda a superfície com fatias de presunto cozido;
  4. Espalhei colheradas generosas de pesto sobre o presunto;
  5. Cobri com as folhas de espinafre cruas, lavadas e secas;
  6. Espalhei quartos de azeitonas pretas descaroçadas;
  7. Reguei tudo com um fio de azeite e moí pimenta do reino por cima;
  8.  Com a ajuda do papel filme, enrolei tudo bem apertado;
  9. Deixei refrigerando 30 minutos na geladeira;
  10. Servi com pão de nozes.